Desafio da Lua: A Ilusão Lunar -A A +A

Desafio da Lua: A Ilusão Lunar | Observar! | Mês Mundial da Astronomia 2020 | OASA

Todas as horas estão conforme o fuso horário açoriano (-1h que no continente e na Madeira).

Esta é uma atividade que pode ser feita à vista desarmada ou com o auxílio de uma câmera fotográfica, de uma forma muito simples, a partir de casa, durante o “nascer” da Lua. A melhor altura para confirmar será ainda durante a fase cheia da Lua que acontece no dia 8 de abril às 02h35 dos Açores, mas tanto o dia 7 como o dia 9 serão também uma boa escolha. Se chegou aqui depois, pode experimentar com qualquer Lua cheia, em qualquer mês do ano.

Provavelmente já reparou que a Lua ao nascer parece estar gigantesca e anormalmente brilhante. Mas qual a explicação? Ou será que é mesmo assim?

Para começar, comecemos por comprovar que o diâmetro aparente da Lua é até muito reduzido no céu: estique a mão e feche um dos olhos e vai ver que a Lua ocupa apenas cerca de ¼ do seu dedo indicador.

De seguida faça o desafio para confirmar se a Lua tem realmente o mesmo “tamanho” quando está perto do horizonte e quando está alta no céu:

1.      Nos dias 7, 8 e 9, procure um local onde consiga ter uma linha de horizonte relativamente baixa e olhe para o lado contrário do por-de-sol para ver a lua a nascer. (veja as horas na tabela)

a.      Isole a lua, observando-a através de um tubo estreito, como uma palhinha de plástico. Anote o tamanho da Lua em comparação com o campo de visão do tubo. Espere cerca de 2 horas (ou mais) e repita a observação. E que tal? Tinha tamanhos diferentes?

b.      Utilize uma câmera digital e ponha o zoom ótico máximo. Capture uma imagem da Lua a nascer, garantindo que a imagem está focada nem sobre-exposta. Faça o mesmo cerca de duas horas depois (ou mais) e compare as imagens. Se preferir, faça download para o computador para melhores “cálculos”. Tem a Lua o mesmo tamanho nas duas imagens?

c.      Quer confirmar? Ou simplesmente mostrar o trabalho? Envie-nos as images ou publique na nossa página do facebook!

Mas afinal o que estou a ver?

A explicação mais consensual para a “Ilusão Lunar” será a do tamanho aparente da Lua que quando comparado com outros objetos familiares que estão na paisagem (como casas ou árvores) a nossa mente interpreta a mesma como sendo bastante grande. Já o contrário acontece quando a Lua está alta no céu, onde já não há nenhum objeto próximo para comparar, dando a impressão de que se encontra muito mais pequena e mais longe. (Nota: esta explicação, apesar de ser a mais consensual, é limitada, já que não explica porque o mesmo efeito acontece quando se vê a Lua no horizonte quando olhamos para uma linha contínua na praia, sem outros objetos comparáveis.)

Aproveite a Super Lua deste mês para testar esta ilusão. E, se quiser ver ainda mais de perto, siga a emissão em direto de Roma da maior Super Lua de 2020 aqui:

Super Lua: a maior de 2020 | 7 de Abril

As Super luas são um evento astronómico que tem merecido apenas recentemente a atenção do público. O nome dá-se à conjunção do perigeu da Lua (ponto em que está mais próxima da Terra na sua órbita) com o momento em que esta está na sua fase cheia. Este ano de 2020 conta com 3 super Luas (9 de março, 8 de abril e 7 de maio) sendo que a próxima, no dia 8 de abril, às 2h35 dos Açores, será a de maior amplitude e onde esta coincidência tornará a Lua aparentemente 14% maior e 30% mais brilhante.

Em termos astronómicos é apenas uma coincidência, e sem meio de comparação não será óbvio a qualquer observador percecionar as diferenças de tamanho e de brilho que ocorrem na Lua neste fenómeno. No entanto, este fenómeno, e a sua mediatização, têm levado a que o público em geral tenha voltado a atenção para a Lua cheia ao início da noite, acabando os ocasionais observadores por notar que a Lua quando surge no horizonte se encontra com uma cor mais amarelada e com um aspeto maior que lhes parece maior que o normal. No entanto, o que estão a observar não resulta de se tratar de uma Lua cheia, mas sim por se estar a observar a Lua quando esta está próxima do horizonte, sofrendo mais refração atmosférica, e como tal ganhando uma cor mais amarelada (tal como um por do sol), e sendo “vítima” de uma ilusão criada pela seu cérebro que faz parecer que a Lua está maior do que quando está alta no céu, por estar comparada com os edifícios ou árvores no horizonte.


Apesar deste ser um mês de abril de 2020 atípico, nada nos impede de festejar o Mês Mundial da Astronomia aproveitando exatamente o seu espírito: levar a todos a Astronomia e lembrar que partilhamos todos o mesmo céu.

É dentro deste espírito que o OASA, como afiliado dos Astronomers Without Borders, pretende que este ano em abril haja #astronomiaemcasa. Entre várias sugestões, o OASA irá levar um conjunto de atividades online preparados pelos Astronomers Without Borders, e por outros parceiros, para que todos, pelo mundo inteiro, tenham a oportunidade de observar os mais maravilhosos eventos, fenómenos e experiências astronómicas a partir de casa.

Conheça as atividades e sugestões deste Mês Mundial da Astronomia:

Mês Mundial da Astronomia 2020 | Observatório Astronómico de Santana - Açores